INSS admite a necessidade de 2 mil médicos peritos

Publicado em: 20/02/2015

Concurso é previsto para este ano; profissionais alertam sobre falta de investimentos na carreira

O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) prevê a contratação de 1.150 médicos peritos para este ano, por meio de concurso público. Porém, o reforço planejado cobre apenas 57% do déficit de peritos nos postos. Ou seja, pelo menos por mais dois anos os segurados terão de conviver com a longa espera pelo atendimento na concessão do auxílio-doença ou outro benefício por incapacidade.

O quadro atual do INSS atende 68.055 segurados por dia. Para enquadrar o atendimento dentro de uma espera de 15 dias, no máximo, seriam necessárias 98 mil perícias por dia.

Na capital, a vaga mais próxima é para o dia 1 de abril, na Cidade Ademar, Zona Sul, ou no Glicério, Centro. No posto da Vila Prudente, Zona Leste, a data mais próxima disponível é 21 de maio (espera de 94 dias até o exame).

De acordo com a ANMP (Associação Nacional de Médicos Peritos), falta uma política de valorização da categoria para evitar um colapso no atendimento. “Não existem atrativos para a fixação de médicos e, além das exonerações frequentes, as aposentadorias (dos peritos) são cada vez mais precoces”, disse Jarbas Simas, presidente da associação.

A falta de vagas na agenda de atendimentos faz com que a concessão do auxílio-doença vire uma espécie de loteria no INSS. O segurado precisa monitorar todos os dias o site da Previdência e ligar para o telefone 135 para ver se tem alguma desistência.

Na capital, 24 postos do INSS fazem perícia. Quando o volume de pedidos aumenta muito para um determinado posto, o sistema retira o nome da agência da lista de opções. Na pesquisa feita ontem pelo DIÁRIO, dos 24 postos, apenas dez tinham vagas.

Até que seja feita a perícia, o segurado fica sem receber o benefício, e a empresa só é obrigada a pagar os 15 primeiros dias de afastamento. Como a espera chega a até 94 dias, o trabalhador pode ficar sem uma fonte de renda por 79 dias, por causa da falta de peritos.

Terceirização/ O Congresso está analisando uma proposta do governo que prevê a realização de perícias pelos médicos da empresa onde o segurado trabalha. Outra opção, em estudo pelo governo, é o retorno das perícias terceirizadas.

“A solução não é a terceirização, mas sim a reestruturação da carreira com adequação da remuneração”, disse Simas.

Entrevista – Jarbas Simas_presidente da ANMP: ‘Os últimos concursos se mostraram ineficazes’

Nos dias 6 e 7 de março, a Associação de Médicos Peritos fará um congresso em Bento Gonçalves (RS) para discutir os problemas da categoria.

DIÁRIO_ Quantos médicos têm no quadro do INSS hoje e qual seria o número ideal?

JARBAS SIMAS_ Somos 4.537 peritos. Precisaríamos de mais 2 mil, mas os últimos concursos se mostraram ineficazes em preencher e manter preenchidas as vagas abertas pelas péssimas condições de trabalho, segurança e remuneração.

Com o quadro atual, os peritos dão conta das atribuições?

Não. Com certeza, sem aumento do quadro, várias atribuições são deixadas de lado pelo INSS. A fila de perícias médicas aumenta a cada dia, e os peritos são colocados no atendimento desta demanda, que é mal absorvida, e as demais tarefas ficam cada vez mais represadas.

A ANMP sempre lutou pela segurança dos servidores do INSS e dos peritos, como estão as ações de segurança? Todos os postos têm detectores de metal e rota de fuga nos consultórios?

Não. Existem agencias funcionando sem os requisitos de segurança (detectores de metal e rota de fuga). O layout também é inadequado sem fluxo adequado dos segurados o que facilita agressões verbais e físicas. A entrega do resultado ainda é feita por médicos em algumas APS. O CFM e os CRMs. foram instadios opela ANMP e estão realizando fiscalizações para verificarem as condições de trabalho e de atendimento ao segurado.

Os casos de violência contra os peritos diminuiram?

Não diminuiram e existem cobranças continuas da ANMP neste sentido. Existe ação judicial do CREMERJ , que a FENAM e a ANMP pretendem estender a todo o país sobre o assunto, e o discurso do INSS vem nesta direção, porém sem nehuma ação prática até o momento.

A estrutura atual do INSS está preparada para fazer a reavaliação de todos os aposentados por invalidez?

Não, pois apesar da previsão legal de reavaliação bienal ela não é realizada pelo INSS por falta de recursos humanos para tal .

Como está a negociação com o MPS sobre as gratificações e a jornada dos médicos peritos?

Não temos qualquer negociação em curso com o atual Governo, e nos últimos anos as promessas do Ministério da Previdência não foram cumpridas, tendo por justficativa não terem sido aprovadas pelo Ministério do Planejamento.

MAIS:

Alternativa é marcar exame em outra cidade

Para fugir da longa espera na capital, alguns segurados do INSS estão recorrendo ao agendamento em cidades da região metropolitana. Em Ferraz de Vasconcelos tem vaga para o dia 25 de fevereiro. Em São Caetano e em Santo André, no ABC, tem vaga para o dia 11 de março. Em Guarulhos, a data mais próxima é 23 março.

35 dias

foi a espera em janeiro, em média, no estado

Fonte: Diário de S. Paulo (17/02/2015)










Voltar